Skip to content

BMW, BYD e Tesla respondem por 30% dos elétricos no mundo

BMW-eletricos

Embora quase todas as montadoras do planeta estejam investindo cada vez mais em veículos eletrificados (puramente elétricos ou híbridos), três marcas têm apresentado um grande predomínio em relação às outras. E, curiosamente, cada uma é de um continente. No balanço divulgado pela consultoria global IHS, levando em conta emplacamentos de carros de passeio e comerciais leves em 2018 (até o início de novembro), duas empresas dividem a liderança global: a norte-americana Tesla e a chinesa BYD, com 11% cada. Na sequência vem a alemã BMW, com 8%. Juntas, as três respondem por 30% dos elétricos e híbridos vendidos este ano no mundo, ou quase um terço do total.

Eletricos

Outras duas chinesas aparecem em seguida, a Beijing (6%) e a Roewe (5%), lembrando que a China é o maior mercado consumidor de veículos eletrificados. Nissan e VW figuram com 4% cada, e várias marcas conhecidas ficam com 3%, como Toyota, Chevrolet, Volvo, Hyundai, JAC e Chery.

SAIBA MAIS: Projeções revelam porque elétricos e SUVs dominaram o Salão do Automóvel

No acumulado histórico, o Toyota Prius é o híbrido mais vendido do mundo, enquanto o Nissan Leaf lidera entre os modelos 100% elétricos. Mas na soma total de cada gama, e levando em conta apenas 2018, as duas marcas japonesas ficando atrás de várias empresas chinesas, além da Tesla (só produz elétricos) e da BMW, que desde 2011 tem a divisão i dedicada apenas a carros elétricos.

Tesla

Levando-se em conta apenas o mercado europeu, em 2018 a BMW lidera com 17%, seguida por VW (13%), Nissan (11%), Renault (9%), Tesla (8%) e Volvo (7%).

No Brasil, nesse período, foram vendidos apenas 3.500 veículos elétricos, de acordo com a Anfavea (associação das montadoras), mas esse volume inclui veículos comerciais. Toyota e Renault estão entre os que mais importam modelos com esse tipo de propulsão. A expectativa é de um crescimento nesse volume em 2019, por conta da redução dos impostos que passa a vigorar a partir deste mês, e também pelos incentivos e exigências de emissões programados no decreto Rota 2030.

Leave a Reply

%d bloggers like this: